Seu nome dói.

Você ainda faz meu coração acelerar.

Eu tenho a péssima mania de procurar uma razão lógica para as coisas. Eu procurei uma razão lógica para nós e eu posso lista-lá de trás para frente na minha mente, como se fosse um música, que eu, escutei tanto. E se você acredita que essa lista seria de coisas que me fizeram apaixonar por você, meu bem, está enganada.
Eu peguei meu bloco de notas e listei todos os malditos porquês de ter dado errado ou melhor, todos os malditos motivos que nós, nunca, daríamos certo. Lembra do dia que assistiu meu filme favorito? Lembra que ele dizia: existem dois tipos de pessoas no mundo? Eu posso ser o tipo romântica incurável, mas eu não sou cega. Durante nosso curto tempo juntas, eu via, entre as pequenas linhas onde chegaríamos, enxergava através das linhas de desgaste que, a queda, não demoraria. Nesse meio tempo, onde as ondas escuras de um coração partido nós assombrava, eu te escrevi poemas, músicas, te segurei como se você fosse meu mundo todo e eu sei que no que está pensando agora e já adianto que a resposta é não.
Não, eu não me arrependo do nosso pequeno infinito agridoce. Não me arrependo dos dias virados no computador onde te escrevia textos de amor e com certeza não me arrependo de ter contado coisas a você que nunca contei a ninguém, não me arrependo pela espera, não me arrependo do acontecimento nós, entretanto, não posso te dizer que passaria por tudo de novo. Para ser honesta, tem dias que eu queria que doesse em você o quanto dói em mim. Tem dias que eu penso que, poderia evitar toda essa dor, tem dias que eu não sinto nada e tem alguns e bem específicos dias que eu queria nunca ter te conhecido.
No título que eu mesma me dou de romântica incurável, sou grata, por cada aprendizado. Sou grata pelo nosso tempo, exatamente do jeito que foi, grata por tudo que aprendemos uma com a outra, sou grata. Nesse mesmo título, eu agradeço também pela dor e pelo que ela me ensina a cada dia e pela paciência que isso tudo me ensinou a ter. No título de pessoa que já te amou muito e se importa contigo, eu desejo profundamente, com todo meu coração que você encontre um amor menos complicado e que seja feliz com cada batida do seu coração.

16/05/20 mwood

Dias de domingo.

Eu cansei de dar todas as desculpas do mundo para que você ficasse.

Eu convenci a mim mesma que eu tinha te dado todas as razões para que ficasse, me culpei por erros que nunca existiram, me culpei por você. Me culpei por todas as vezes que abri meu coração e disse a mim mesma que seria diferente, me culpei pelas vezes que te quis, pelas vezes que corri para te alcançar e pelas vezes que me senti insuficiente, pelas noites que pensei em ti, pelas piadas que contei e pelas vezes que só desejei estar ao seu lado.

Me culpei também, pelas vezes que quis seu corpo e por pensar que seria infinito, me culpei pelas dores não causadas por mim em seu corpo e alma e ao final dessa culpa eu não sei o que tenho. Chego a pensar que talvez, só me reste isso de nós, culpa, pelas vezes que não amamos da forma certa, não lutamos por isso ou talvez seja pelas vezes que eu fui embora e bati a porta ou talvez pelas vezes que você fez isso.

Pode ser que tenha esfriado, como dizem, algumas coisas começam com força demais e depois perdem.. talvez. A incerteza bate em minha porta constantemente por isso, foi por pouco ou foi por muito? Foi pelas poucas palavras trocadas ou pelo excesso delas? Foi pela falta da palavra ou porque ela apareceu demais?

O resto da semana é como se fosse uma usina em total vapor, não tenho tempo para sentir sua falta, de pensar em você, de pensar se ainda pensa em mim ou se ainda usar meu colar e me mantém perto de você, mas nos dias de domingo..nos dias de domingo eu me pergunto tudo isso, quando tudo está vazio e tranquilo, quando meus pensamentos se ajeitam e você vem com força na minha programação mental.. eu te penso e te sinto.

No final das contas e das culpas que me atribuo e deixo de me atribuir a cada dia, eu deixo de sentir sua falta, tirando os dias de domingo, nesses dias eu peco pelo excesso de te sentir e te querer.

@mwood 27/03/20

A Carta.

Ok, vamos para um tipo diferente de texto e talvez isso seja um erro, entretanto o texto é sobre eles.

Desde do meu início de aventura na terra, eu percebo coisas e ao auge dos meus quase 20 anos nas costas (eu ainda não acredito que estou quase fazendo 20 em meio a uma pandemia), cheguei ao veredito sobre as pessoas. Ele é bem simples, pessoas são uma bagunça!

Sim, uma bagunça completa e na maioria das vezes egoístas e no momento, você deve estar sentado no sofá ou em outro lugar pensando que não é nenhuma das duas coisas. Bem, eu posso citar pelo menos milhares de vezes que eu fui egoísta mesmo sem querer, as vezes que eu não respeitei as decisões de outras pessoas ou até mesmo as minhas e do meu coração. Todas as vezes que fui contra algo que eu sabia que no final iria me machucar e todas as vezes que eu tentei mudar o meu jeito de ser para agradar outra pessoa, me fizeram uma bagunça também.

Todas as vezes que eu abri meu coração mesmo sabendo que iria causar dor, todos os erros e amores estúpidos, são de longe os erros que eu mais me orgulho de ter cometido, isso me rendeu belas doses de bebidas alcoólicas e esse blog que aqui vos fala. Nos meios desses erros, eu implorei para pessoas ficarem por medo de ficar sozinha (ignorei todas as coisas que eu já gostava antes da pessoa e que fazia sozinha), atribui a algumas pessoas, necessidade e principalmente medo.

Minha mãe uma vez me disse para apenas fazer o que me deixa feliz e minha tia disse que no final das contas, a minha felicidade depende apenas de mim.. que ninguém vai viver a vida por mim. Então se eu atribuo as pessoas necessidade, o que me sobra? Correr em círculos atrás de afeto, provavelmente quebrar a cara e ser egoísta com as pessoas. Outra vez, uma amiga me disse sobre ser livre e como ser livre também é pertencer e permanecer, criar laços, mas que esses laços não podem ser amarrados fortes demais, porque eu não posso ficar para sempre.

Ninguém e nada é eterno, o orkut mesmo acabou, veja aí. Quando eu falo sobre pessoas serem uma bagunça é por isso, elas não querem ficar, mas também não quererem te deixar ir. Elas querem ser livres, porém, qualquer ato de libertação é visto como balbúrdia sendo que a maior balbúrdia de todos os tempos é manter uma pessoa por perto por medo. Isso é ser egoísta.

Como seres humanos, somos assim, precisamos de contato, de cuidado e como seres humanos iremos errar e confundir algumas vezes o que é amor e o que é medo e talvez ajude, lembrar que ao final, nossa felicidade apenas a nós mesmos pertence, sem amarras, dores ou lutas.. terminaremos sozinhos tendo medo ou não, permitindo as pessoas irem embora ou permanecerem porque querem.

A diferença é que quando terminar, as pessoas que permaneceram porque quiseram e não por medo, terão sempre você no coração. O amor e o medo são emoções muito poderosas, intensas e dolorosas, saber diferenciar é importante. @mwood 27/03/20

Não era amor.

Eu passei três meses sem escrever e eu amo escrever, eu passei duas semanas sem meus amigos e eu amo eles, passei vários dias sem minha comida favorita, algumas horas sem minha música no repeat, passei anos sem ver pessoas da minha família e de tudo isso eu senti falta. Eu queria desesperadamente escrever, ouvindo minha música favorita com um prato de lasanha, eu queria sair com meus amigos e visitar meus familiares com todo meu coração, entretanto a vida é uma trágica e cômica história, ela acaba dando voltas e voltas nela mesma.

Porque quando eu me apaixonei por você, eu senti como se fosse servida lasanha todo dia e quando eu te perdi, senti como se fosse um prato de feijão com azeitona e eu senti falta da lasanha. Eu senti sua falta por meses, quando meu peito apertava que parecia que as borboletas em meu estômago tivessem virado canibais e estavam se matando por conveniência, eu senti como se fosse abstinência de uma droga muito pesada.

Para ser sincera, eu senti sua falta, da conversa, das risadas, da presença e para ser mais honesta ainda, eu senti mais falta da sua amizade do que que de outra coisa, porque eu acredito que nós duas sabíamos que o nosso amor era feito para cair e tá tudo bem, porque coisas não duram para sempre e tem amores que não são feitos para sua vida e sim para mostrar que existem milhares de opções e que quando você ressignifica algo, você não perde.

Porque eu passei meses tentando escrever, sobre ressignificar nós, eu pensei que eu não conseguiria até eu entender a parte romântica era algo muito pequeno em um espaço muito grande que você ocupa e sempre vai ocupar em meu peito. Consegui parar a carnificina das borboletas e soltei as sobreviventes ao mundo, para que elas possam aproveitar da beleza do mesmo.

E me soltei de você, quase todos os nós possíveis, menos o que está amarrado de maneira permanente em mim, que é o meu amor, que por mais que seja de outro tipo, nunca vai deixar de ser amor.

mwood 18/03/20

Torre.

Era uma vez em um castelo encantado, uma donzela vivia sua vida normalmente, ela tinha sua família que nem de longe era perfeita e os dragões que rodeavam o castelo e principalmente a torre que ela dormia. Ela tinha pesadelos todas as noites por conta dos dragões porque afinal, ela era apenas uma donzela indefesa esperando desesperadamente ser salva por alguém, por alguma alma bondosa que a visse finalmente por quem ela realmente era.

Sua família matou alguns dragões para ela quando era mais nova, mas os mesmos cresceram e ficaram maiores.. a família queria ajudar, mas não podia e então a menina pedia todos os dias, que alguém aparecesse em algum tipo de armadura reluzente, alguém que não tivesse medo algum, mas nunca apareciam.

Seu coração partia a cada tentativa frustrada, cada vez que alguém aparecia em uma armadura, toda vez que alguém lhe dizia palavras doces e partia sem ao menos tentar encarar os monstros, toda vez que diziam a ela que não podiam lidar com as chamas.

Apesar do seu coração partido por tantas pessoas que passavam e prometiam para ela, um lugar seguro, uma casa, que diziam palavras de amor e partiam no dia seguinte por não saberem lidar com as chamas, ela ainda tinha uma fé inabalável que algum dia surgiria alguém que tivesse um coração puro, amaria e lutaria por ela.

Entretanto enquanto o tempo passava, a moça se conformava com mesmice da situação. As pessoas que apareciam já não quebravam mais seu coração porque o discurso era sempre o mesmo e estava cansada, cansada de ver as mesmas pessoas em situações diferentes, a pequena donzela chorou em sua torre se perguntando o porque daquilo ser tão difícil e o porquê de ninguém se atrever a ficar por um tempo.

Felizmente, ela ainda tinha sua família e então quando cansou de jogar suas lágrimas para fora por pessoas que nem sequer mereciam seu coração, gentilmente a donzela se dirigiu a família dizendo: “ eu irei matar meus próprios dragões, eu estou farta de esperar alguém em uma armadura reluzente venha me salvar! Afinal, são os meus sonhos que estão sendo roubados e eu irei atrás de cada um deles, pelo meio que for necessário. Agora, me digam.. vocês matavam essas criaturas quando eu era pequena, como eu farei?” A família orgulhosa ensinou a pequena passo a passo o que ela deveria fazer para matar seus dragões.

E se vocês se perguntarem como a donzela está, ela ainda perde algumas noites de sono, algumas vezes os dragões ainda são mais fortes que ela, porém agora ela sabe lidar com suas próprias chamas e com o próprio caos que reflete em sua janela e o mais importante é: que ela está matando um dragão por dia e conquistando cada vez mais seus sonhos.

29/11/20’9 @mwood

Negação.

Hoje eu resolvi não escrever um texto sobre você, não falar que sinto sua falta – quer dizer, eu sinto falta do nós antes de existir um nós – o nós que conversava, o nós que aconselhava e sempre estava por perto, mesmo sem tempo.

Mas eu não vou escrever um texto triste sobre o que nós fomos e o que deixamos de ser, nós fomos o que precisávamos ser na vida um do outro e isso não quer dizer que tenha sido bom e ao mesmo tempo não quer dizer que tenha sido ruim.

Eu revistei nosso término mil vezes e dessas mil, quase novecentas eu tive a certeza que podia ter feito mais por nós e nessas cem que eu não tive essa certeza, eu agradeço por elas. Agradeço por não termos voltado, agradeço pelas lembranças e pela bagunça.

Esse não é um texto para te dar parabéns, eu não lembro de você, eu não quero falar de nós. Esse é um texto sem motivo num dia qualquer para dizer que: eu não desejo o melhor para você.

Esse texto não é uma despedida, esse texto não contém conteúdo triste. Ele contém nós, mas um antigo nós que eu sou orgulhosa de ter existido apesar de tudo, apesar de todas as discussões e efeitos colaterais.

Esse texto é só para não desejar tudo de bom hoje e sempre na sua vida e definitivamente não é para agradecer que você esteve presente na minha vida,

13/11/19 mwood

Beija-flor.

Hoje eu senti saudade de nós, de um nós que não existe mais. De um nós que me dava borboletas no estômago, de um nós que eu acreditava, de um nós que hoje eu termino.

Eu sempre achei que você era demais para mim, desde da primeira conversa, mas eu arrisquei toda a minha sorte e todas as minhas esperanças porque ter você na minha vida estava valendo todas as minhas cartas.
Eu quis me adaptar ao seu mundo, quis ser mais do que eu podia. Quis ser outra pessoa para tentar me encaixar no seu peito, quis tanto ter você que esqueci de mim.

Você me ensinou a ser livre, mas me deixou voar para longe demais e eu não estava pronta, mas eu anseio pelo dia que eu acharei meu caminho de volta para você.
Eu sinto falta das nossas risadas bêbedas, de longas madrugadas, dos nossos beijos, nossos abraços, nossas mãos dadas, nossas conversas sérias, meus olhares longos enquanto você não estava olhando, nossas cartas, sinto falta do sentimento que ardia para caber no peito.

Eu sinto falta de quando você me queria por perto, de quando existia um nós. Eu sinto falta das longas caminhadas até sua casa, de você deitada e entrelaçada comigo e nossos longos filmes, sinto falta de nós.

Mas eu sinto mais falta dos dias que não pareciam que estamos voando em direções diferentes, para longe e mais longe a cada dias nós nunca tivemos um ninho para chamar de nosso para saber para onde iremos voltar se precisarmos.

Isso me tira o sono porque por mais que eu queira te prender isso não seria certo, mas eu queria ter algo marcando onde paramos para quando ou se quiser voltar, mas eu me apego ao sentimento que seu coração sempre vai saber o caminho para nós.

Porque eu acredito que somos reais e fortes o suficientes para um dia, quando a tempestade passar e podermos voar em paz, voaremos uma para outra.

Mas, por enquanto eu canto que te amo e te deixo ir.

mwood 07/11/2019

Caos.

Eu tô aprendendo a amar meu caos.
A amar cada partezinha que você ou você ou outra pessoa nunca fez questão de ver ou apenas de me mostrar o quanto era incrível.
Tô amando cada pensamento bagunçado que tenho, cada teoria errada que já inventei, tô amando gargalhar até doer, tô amando até o barulho que faço no meio da risada.
Tô amando a cor dos meus olhos, tô amando minha pupila dilatada, tô amando.
Tô amando cada nota desafinada no meio da minha música favorita que eu AMO cantar.
Tô aprendendendo a amar cada risquinho que eu tenho, cada detalhe que ninguém nunca me disse, tô aprendendo a amar todas as partes que eu já odiei e quis mudar, cada parte que eu quis expurgar de mim.

Tô aprendendo a amar todas as partes que já me disseram para odiar, tô encontrando minha cara metade que eu descobri que nunca foi você ou qualquer outra pessoa porque eu sou inteira, intensa e eu me amo o suficiente para viver sem o seu amor, sem você, o suficiente para entender que todas as partes de mim que eu gostava quando estava com você são inteiramente minhas e eu amo.

eu me amo como você nunca pode ou sequer poderia.

mwood 23/10/19

O que sobrou de nós.

O que sobrou de nós.?

Nada. Não sobrou nada.

Nada além de palavras bonitas jogadas ao vento, nada além de beijos nunca dados, nada além de um futuro nós nunca alcançado.

O que deixamos para trás, afinal? Doces mentiras, amargas verdades, carinhos perdidos, frases não ditas.

Quando eu penso em nós, eu só consigo vagar na linha tênue do que fomos e do que jamais seremos. Na linha do que fomos é tudo mais claro: nunca fomos constantes, sempre distantes mas fazíamos um esforço para colidir o máximo possível, jogamos eu te amo ao vento e tornamos a frase maldita com tempo porque ela não ecoava mais. Porque no começo tudo voltava no mesmo som e o tempo foi passando e a caverna foi perdendo consigo a capacidade de ecoar, então eu te amo virou um grito de desespero em um vazio ensurdecedor. Colidimos, com força, batemos como dois trens em alta velocidades. Dor, imensurável da partida porque não podíamos mais ficar ali. Nossa morada junta se desfez porque não era forte o suficiente, o vento veio e derrubou deixando apenas restos de catástrofe e poeira.

Paramos de falar sobre as ruínas, fingindo que ainda tínhamos algum teto sobre nossas cabeças para nos proteger, não tínhamos. Inconstantes. Para nós mesmos numa dança suave entre permanecer e ir embora. não tão suave. Angústia, eu sonhava com nós, realidade que você escolheu ir.

Insônia, você não estava mais aqui. Nunca esteve. E o que seríamos se tivéssemos tomado decisões diferentes? Você seria minha no final do dia? Você se deixaria ser?
Você se deitaria ao meu lado quando se sentisse sozinha ou você se deitaria ao meu lado porque me amava? Você cantaria comigo todas as melodias que eu tenho em meu coração? Você caminharia comigo em meus piores pesadelos?

Você ficaria se fosse diferente?
Você ficaria se fosse igual?
Você ficaria se eu pedisse?

Instantes, você some. Você vai, não te peço para ficar. e se eu pedisse? Eu fiquei parada te vendo partir enquanto isso você me partia junto a ti.

e o que sobra de nós depois disso? Angústia? Dor? Temor? Diga, ainda resta um pingo de amor? Me peça pra ficar, me diga o que sobrou.

Boas lembranças que habitam um banco de praça, pouco iluminado. Uma blusa branca, mãos entrelaçadas, beijo nunca dando, enferma paixão.

23/09/19 mwood

SOBRE UM ANTIGO NÓS:

Hoje eu sentei no banco da praça do nosso primeiro encontro. Eu estava com a mesma roupa e com uma playlist que me lembrava você no spotify e pareceu uma máquina do tempo, me levando aos bons e famigerados dias que eu tinha você.

Um sentimento nostálgico e uma dor efêmera invadiram meu corpo e minha mente por um instante enquanto as memórias vagavam soltas pelos meus nervos e enquanto isso, eu podia sentir sua presença ali e eu me peguei pensando se eu mudaria o jeito que as coisas aconteceram.

Se eu pudesse voltar para nosso antigo nós, eu diria mais o quanto eu te amava.
Se eu pudesse voltar para nosso antigo nós eu te pediria para ficar mais um dia.
Se eu pudesse voltar para nosso antigo nós eu te abraçaria mais.
Se eu pudesse voltar para nosso antigo nós eu te beijaria mais.
Se eu pudesse voltar para o nosso antigo nós eu beberia menos.
Se eu pudesse voltar para o nosso antigo nós eu prestaria mais atenção nos detalhes.
Se eu pudesse voltar para o nosso antigo nós eu não voltaria.

Eu posso citar todos os motivos do mundo para voltar para você, posso citar todos os dias o quanto eu quero te abraçar e te segurar em meu mundo por mais um segundo, posso citar todos os motivos que eu quero te beijar na praça de novo e posso citar todos os motivos pelo quais, eu não devo.

23/09/19 @mwood